sexta-feira, 27 de abril de 2018

O POBRE de direita!

Fonte: DCM


QUANDO nos transformamos em seres sociais, processo que começa na barriga de nossas mães, recebemos bilhões de informações na forma das linguagens humanas, criadas para reconhecer o mundo, trabalhar sobre ele, compreendê-lo, transformá-lo, fazê-lo servir a nossos intentos, desfigurá-lo à nossa imagem e semelhança, pois somos deuses capazes disso: destruindo o meio ambiente, achamos que construímos um mundo melhor para nós.

O universo das ideias é muito fluido; algumas ideias passeiam por vários campos, que podemos convencionar dentro dos limites estritos de “direita” e “esquerda”. Cito a definição básica, conhecida por centenas de milhões de pessoas pelo mundo afora, de Norberto Bobbio, segundo o qual ser de esquerda é fazer a opção pelos pobres, indignar-se com a exclusão social, inconformar-se com toda forma de injustiça e considerar uma aberração a desigualdade social.

Já o discurso de direita relativiza os direitos humanos, tenta conferir a seus pressupostos razões pautadas em um naturalismo estreito identificado como darwinismo social, e considera a desigualdade socialmente produzida decorrente de méritos desiguais entre as pessoas, não se importando se tais méritos originam-se sempre da exploração brutal e proteção exclusiva dos interesses de classes que se tornaram dominantes não por aplicação das virtudes humanas, mas na extrapolação de seus defeitos mais ordinários: ambição, ganância, sede de poder.

Vivemos uma sociedade de classes sempre em conflito, mas as classes dominantes têm muito mais possibilidades de manter suas posições enquanto dominantes nas estruturas sociais por força do controle que possuem sobre as informações, os discursos socialmente postos, e analisados em conformidade a interesses estritos que se colocam como gerais.

Nasce daí o estranho fenômeno do pobre de direita que, além de não reconhecer a sua pobreza material e intelectual, decorrente das limitações que lhes são impostas pelo sistema social do capitalismo, barrando seu acesso à educação, à cultura, à saúde, e logo aos empregos mais bem remunerados, com maiores possibilidades de ascensão social em razão do manejo de novos conhecimentos, que propiciam melhores posições sociais e de classe, bem, o pobre de direita, que se diz nem pobre nem de direita, luta inutilmente por duas coisas:

1) ascender socialmente, o que só consegue dentro de limites que o impedem de ultrapassar o estamento social a que está sistematicamente condenado;
2) ser reconhecido não como de direita, mas como ser racional que age conforme princípios bem fundamentados.

Esse pobre de direita encontro todos os dias. Alguém que considera, é claro, as definições de esquerda e direita ultrapassadas, enquanto defende todas as concepções mais ultrapassadas do mundo, e todas elas bem classificadas como de direita. Posições que ora relativizam discursos socialmente dados como o racismo e a misoginia, o machismo e a exploração do homem pelo homem, ora simplesmente assumem tais posições como legítimas, havendo aqueles que simplesmente não reconhecem tais males, postos como “naturais” do ser humano.

Enfim, o pobre de direita, sem saber, realiza o trabalho de difusão dos conceitos sociais que o oprimem, que o fazem ser o sujeito que vive para pagar contas, que despreza tudo que é diferente, considera que todos os males sociais decorrem daqueles que não se ajustam à sociedade e, por vezes, respondem com violência, devendo por isso sofrer as piores consequências possíveis de um Estado ocupado exclusivamente na repressão de tais recalcitrantes com perseguição sistemática, tortura, execução sumária. O sujeito que não pode fruir a vida, pois na maior parte do tempo está submetido à realização do trabalho, sob as formas mais brutas, e que ainda assim sonha, através desse trabalho, ascender socialmente, fazer parte dos privilegiados que tem direito ao consumo, sendo isso tudo o que reconhece como poder de um cidadão em uma sociedade legalmente regulada, e que, hipoteticamente, reúne cidadãos em seu consorciado para que todos realizem, juntos, o grande trabalho de prover, a todos seus integrantes, os mesmos bens e direitos, que na verdade vão muito além da felicidade de comprar, de possuir coisas, de se integrar a um modo de vida que considera imperativo a exploração do meio social e ecológicos para satisfação de seus apetites sumários.

Quando se reconhece o mundo como é e como o mundo como deveria ser e sempre será, por força de uma justiça baseada no comportamento individual, e este comportamento dado como “natural”, inato, não há como pensar que tudo que existe resulta não apenas da materialidade quântica, mas do quanto e como articulou a humanidade, através da história, as formas de poder sobre as coisas, inclusas aí as pessoas, constrangidas a seguir normas dadas e que não podem ser, idealmente, questionadas, e, se o são, tal comportamento deve ser combatido e classificado como antissocial, enquanto, por outro lado, sequer se reconhece a existência de uma sociedade. mas apenas de indivíduos em contraposição a outros indivíduos, postos em esferas de competitividade desigual que se conclui, conforme os defensores de tais regramentos/desregramentos, com a plenitude de uma humanidade devotada à razão, e essa razão é o poder, cujo símbolo divinizado é o dinheiro.

Isso tudo que escrevi acima é uma síntese de minhas reações diante do quadro atual, em que se destroem todas as formas de relações sociais pautadas em conceitos éticos fundamentais, que foram fundados na prática dos relacionamentos humanos integrados em um corpo social, onde se compreende o que é o mal e o bem, o justo e o injusto, a virtude moral ou sua ausência. A interação social despida de considerações morais, fundada só no princípio da competitividade, no choque entre forças iguais ou desiguais, não produz um agrupamento social que se pauta por leis morais, resultando disso conflitos que objetivam não a construção de regras de convivência, mas seu oposto: a destruição do opoente, a destruição pelo opoente, e, via de consequência, a autodestruição social por dada a sociedade como inexistente, sendo assim desnecessários critérios de justiça mais amplos do que a mera satisfação de um indivíduo, um self-made manpara quem todas as leis que se interpõe contra seus objetivos são injustas, logo devem ser ignoradas ou extintas. E que belas tribos podemos compor a partir de tais princípios…

Isso tudo para dizer: não me peçam para respeitar “opiniões” quando elas (que nem opiniões individuais são, mas discursos prontos para a satisfação de imperativos outros que não os da justiça social) integram justamente a onda reacionária que destrói o país. Seria como me pedir para respeitar as opiniões de Michel Temer, dos Irmãos Marinho, de Cármen Lúcia, Sergio Moro, daqueles que compõe as corporações financeiras supranacionais, etc. Isso seria compactuar com retrocesso civilizacional. Isso não merece respeito. Tal impostura dada como “opinião” desconhece o velho dito anarquista: “Se pensas que pensas, pensas mal; quem pensa por ti é o Comitê Central”. Tanto quanto desconhece o dito de Aldous Huxley, que cito apenas de memória, mas não é longe disso: “O segredo de todo e qualquer condicionamento é fazer o sujeito amar o destino social a que ele não pode escapar”.

Pois é: as pessoas seguem amando os conceitos que lhe oprimem. Amam seus opressores, que também amam seus conceitos e terminam também por ser oprimidos. O final disso tudo é, óbvio, a distopia do apocalipse, realizado não por força de deuses, mas por métodos historicamente produzidos de uma humanidade cuja integração, necessária à sobrevivência mesma da espécie, não se faz sem a desintegração do meio ambiente e, com isso, da própria humanidade. (Marcos Nunes, DCM, acesso em 27abr2018)

E assim caminha a humanidade!

L.s.N.S.J.C.!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MANDA ver um comentário aí!