sábado, 9 de setembro de 2017

SARGENTO Caveirinha!

Primeiro-sargento Rodrigues, o Caveirinha
EM MINHA época de Escola de Especialistas, final da década de 1970, havia um primeiro-sargento cuja figura me ficou indelevelmente marcada na mente. Aliás, todos os alunos daquela época jamais esquecerão do sargento Rodrigues, o Caveirinha, apelido ganho graças à sua aparência incomum,  à fama de sargento mau e ao rigor em que agia como instrutor de Ordem Unida para todo o Corpo de Alunos, constituindo-se o terror daqueles alunos de primeira série. Feio (feio não: horrível, simplesmente), hoje seria comparado ao "Seu Madruga", do seriado mexicano Chaves.

A maioria de nós, aquele meio milhar de jovens oriundos de todas as partes do Brasil, era egresso da vida civil, nada entendendo de militarismo. Não sabíamos discernir nada, e devíamos aprender tudo num curto período de dois ou três meses a fim de prestarmos o compromisso de juramento à Bandeira, uma obrigação regulamentar imposta a todo brasileiro que ingressa nas forças armadas brasileiras. Exceção era feita aos jovens que antes eram soldados ou cabos, que já vinham escolados, porém tinham que passar igualmente por todas as instruções, quer fossem teóricas (regulamentos) ou práticas (ordem unida).

Caveirinha, sujeito magro, cara chupada e espesso bigode, era o sargento mais afamado e mais temido entre a alunada. Pegava no pé especialmente daqueles que tinham dificuldade motora, e que, muitas vezes pelo nervosismo natural, não discerniam entre "direita volver" ou "esquerda volver", nem acertavam o passo ao marchar, e muito menos tinham habilidade com o manuseio do armamento, que naquela época era o velho e pesado mosquetão usado na primeira guerra. Caveirinha não deixava passar qualquer deslize, e com isso a turma ficava mais nervosa e trêmula. Para nós, a impressão que ficava era que ele se comprazia com o nosso sofrimento.




A respeito de sua figura, as anedotas e situações folclóricas também eram recorrentes. Consta que certa noite, os grupos de alunos estavam no pátio do rancho para a ceia, que, pelo boato que corria sobre adicionarem algum remédio no chá para aliviar os hormônios, era também conhecida pelo singular nome de "brochante". Em geral, os grupos formavam por turmas ou séries, da 4ª série, aqueles que estavam no último semestre do curso, à primeira série, os "bicharais", como eram jocosamente chamados por todas as outras turmas. O aluno mais antigo de cada série se encarregava de por em forma a todos de sua turma e os apresentava ao sargento-de-dia, que estava lá para supervisionar a disciplina. Justamente naquela noite o sargento-de-dia era o Caveirinha. 

Ocorreu de o mais antigo da primeira série presente ser o Orival, popularmente conhecido por "Catarina", em parte pelo seu sotaque inconfundível de catarinense. Um aluno de quarta série orientou que o Catarina pusesse o grupo em forma, o que ele fez dando uma sequência de "sentido, cobrir, firme!", e apresentasse a turma ao sargento Caveirinha.

Foi então ele:

-- Com licença, sargento Caveirinha! Aluno Orival apresenta a primeira série pronta para o brochante.

O sargento Rodrigues, impassível, e olhando firme para a cara do bicharal, saiu-se assim:

-- Aluno, em primeiro lugar o nome da refeição não é "brochante" e sim "ceia". E em segundo lugar... CAVEIRINHA É A PUTA QUE TE PARIU!!!".  

No entanto, tudo ficou por isso mesmo. O sargento não levou adiante o fato -- transgressão disciplinar --, sabendo que se tratava apenas de bisonhice do Catarina, que caiu na armadilha do aluno quarta-série. Era um cara bom, um grande profissional que fazia bem o seu trabalho. 

Jamais te esqueceremos, sargento Rodrigues! 

Cabra bom!

11 comentários:

  1. Eu tinha um medo enorme dele.....nos meus tenros 16 anos de idade....kkkkk

    Alguns anos após, reencontrei o Sgt Rodrigues e tive oportunidade de travar um longo papo com ele, confessando sobre esse medo....

    Ele riu bastante....

    Realmente uma grande personalidade...

    Henrique, CCS....

    ResponderExcluir
  2. Eu também tinha.
    Mais tarde servimos juntos em Anápolis. Uma grande figura!

    ResponderExcluir
  3. Kkkkk em 68 quando cheguei na Escola, oriundo da vida civil, nada sabia de militarismo... foi então que, ainda paisanos, sentados na escada lateral do bloco do lado do páteo onde fazíamos a ordem unida, de repente passa o Caveirinha... Claro que ninguém deu bola... aí ele voltou mandou que ficássemos de pé quando passasse um superior e nos deu aquele esporro... porque ninguém tinha se levantado na sua passagem... FDP... foi aí que tomamos bronca dele... Ainda bem que nunca foi Sargenteante da 8ª CIA.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz-o levantar-se,quando da presença de uma PESSOA,com um pouco mais de conhecimento,significa Reve-rência,Respeito,pela Autoridade,que aquela Pessoa representa;isto se aplica,também ao meio Civil;dizer,ainda hoje,a expressão chula,agressiva(fdp),referindo-se a um Companheiro de Campanha...;você permanece ligado a FAB?!...

      Excluir
  4. George Silva Tangary16 de outubro de 2017 23:16

    Historia sensacional , super bacana mesmo , queria poder estar com eles neste tempo!!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Esse texto é antológico e traduz com fidelidade o que sentíamos só pelo cheiro da passagem do Caveirinha. Histórico, marcante, muito bem escrito, na veia dos sentimentos. Eu bem que gostaria de ter conversado com ele de igual pra igual em alguma oportunidade. Pergunta de curioso: ele ainda está vivo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, segundo os amigos especialistas, com quem conversamos no Facebook, o suboficial Rodrigues está vivinho da silva, morando em Guaratinguetá. Sempre comparece nos encontrões de veteranos, que ocorrem sempre em julho.

      Excluir
  7. Positivo, no nosso encontrão anual denominado "DE VOLTA PARA O BERÇO" sempre na primeira sexta feira do mês de julho, promovido pela AMIGA "Associação dos Militares Inativos de Guaratinguetá e Adjacências" tive o prazer de cumprimentá-lo.
    Ainda estava relativamente com saúde e você não tem ideia do quanto foi efusivamente cumprimentado por quase todos os que lá estavam.
    Oxalá, Deus queira que eu possa participar novamente no próximo 18° Encontro dos Veteranos da EEAer, o qual deverá ser levado a efeito em 06 Julho próximo.
    A AMIGA, já está recebendo via internet,as solicitações dos Ex Alunos que queiram participar da referida reunião anual.
    Abraços a todos do ex-presidente Al 71/745 - TREFFNER, cuja formatura na EEAer, foi em DEZ 73.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por sua contribuição, caro colega anônimo.

      Excluir

MANDA ver um comentário aí!