quinta-feira, 19 de abril de 2012

BAHIA é favorito contra o Remo

Remistas enfrentam o Bahia precisando de uma igualdade no placar para garantir a classificação na copa do Brasil


UM VISITANTE menos cotado. Um anfitrião favorito e com o apoio de sua torcida. Um duelo eliminatório com resultado inesperado. Em 23 edições, este foi o roteiro de muitos confrontos da Copa do Brasil. O caminho para Santo André-SP e Paulista-SP se tornarem os mais improváveis campeões do torneio nacional. Essa é a história que o Remo pretende repetir hoje, a partir das 19h30, no estádio de Pituaçu, contra o Bahia.

O Leão Azul pode até empatar com o Tricolor de Aço, uma equipe de Série A e uma das candidatas ao título da Copa do Brasil, que ainda assim estará classificado para as oitavas de final. Se marcar dois ou mais gols, mesmo a derrota com saldo negativo de uma bola (por exemplo 3 a 2, 4 a 3, 5 a 4...) servirá para o time paraense repetir algumas de suas melhores campanhas no mata-mata nacional. Já uma derrota simples, por 1 a 0, garante o time baiano. Um revés por 2 a 1 - mesmo placar do jogo de ida em Belém - significa decisão nos pênaltis.

Caso leve a melhor no duelo desta noite, o Leão Azul terá pela frente na luta por uma vaga nas quartas de final a Portuguesa-SP. Abalada pelo rebaixamento à Série A2 do Campeonato Paulista, a Lusa paulista eliminou o Juventude-RS na semana passada e agora aposta todas as suas fichas na Copa do Brasil.

Derrubar favoritos – na maioria das vezes fora de casa – foi a marca das campanhas de Santo André, campeão em 2004, e Paulista, ganhador em 2005. O clube do ABC desbancou Atlético Mineiro (segunda fase), Palmeiras-SP (quartas-de-final) e Flamengo-RJ (final), sempre decidindo como visitante. O Galo de Jundiaí tirou do seu caminho Botafogo-RJ (segunda fase), Internacional-RS (oitavas-de-final) e Cruzeiro-MG (semifinal) antes de derrotar o Fluminense-RJ na decisão.

Apenas contra o Colorado a partida decisiva foi realizada no interior paulista. Em todos os outros casos, a exemplo do Santo André, teve de superar a pressão de um estádio lotado. Situação que, espera o técnico Flávio Lopes, também poderá ser vencida pelo Leão Azul.

'Sabemos que vamos enfrentar uma pressão muito grande, mas dentro do campo são 11 contra 11 e a nossa equipe tem totais condições de surpreender o Bahia', afirmou o treinador, que deve armar um esquema cauteloso para tentar segurar o ímpeto adversário, principalmente nos primeiros 45 minutos.

'Seria muito bonito eu chegar aqui e dizer para a torcida que vou marcar o adversário sob pressão, mas eu não sou louco. O Bahia é uma equipe de primeira divisão e terá o apoio de 40 mil pessoas (na verdade a capacidade do estádio de Pituaçu é de 32 mil pessoas). O Remo ainda está tentando chegar na Série D. É claro que eu não vou jogar de igual para igual', declarou Lopes. 'Vamos entrar em campo respeitando a força do adversário e cientes de que teremos que jogar com muita inteligência e tranquilidade para trazer esta classificação.'


Falcão promete sufocar o time paraense

O técnico Paulo Roberto Falcão promete que o Bahia vai sufocar o Remo do primeiro ao último minuto do jogo, hoje, no Pituaçu, para conseguir o resultado necessário à classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil. O plano é não dar espaços, forçar o Remo ao erro e mantê-lo acuado. 'O time vai suar sangue para conseguir o resultado', anunciou, há dias, o treinador do Esquadrão de Aço. 'Teremos de jogar no campo deles, pressionando a saída de bola', enfatizou.

A estratégia baiana está prejudicada pela ausência do lateral esquerdo Gutiérrez, um jogador que se destaca justamente pela capacidade de marcação, de articulação e de pressão sobre os adversários. O boliviano sofreu uma contusão na panturrilha direita e só deve ficar à disposição da comissão técnica a partir da próxima semana.

Sem poder contar com William Matheus e Ávine, também contundidos, o primeiro candidato à vaga era o jovem Jussandro, que estreou como profissional no domingo passado, contra o Atlético de Alagoinhas-BA. Mas Falcão decidiu optar pela improvisação do volante Hélder, que já atuou na posição em outras ocasiões, justamente pelo maior poder de marcação do atleta.

O técnico do Bahia também quer contar com a pressão das arquibancadas, hoje à noite, no Pituaçu. Por isso, ele passou a semana chamando o torcedor tricolor para o confronto decisivo diante do Remo. Falcão quer ver a torcida baiana 'fazer a diferença', assim como fez a torcida remista no jogo de ida, no Mangueirão.

'Quem fez a diferença no jogo lá foi o torcedor. O árbitro marcou um pênalti na pressão da torcida. Então precisamos que o torcedor encha o estádio na quinta-feira', convocou Falcão. (Portal ORM, Belém - PA, Brasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MANDA ver um comentário aí!