quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

FLAMENGO estréia com empate, jogando como time pequeno.

Dava pra ganhar, mas isso é Joel !!

Com quatro volantes, Fla sai na frente, mas empata com Lanús 


 
RUBRO-NEGRO se propõe a defender, abre vantagem, mas cede à pressão. Na Argentina, times ficam iguais na estreia no Grupo 2 da Libertadores: 1 a 1
 
Por Janir Júnior, Lanús, Argentina

 
O ESTILO  era conhecido. O torcedor rubro-negro com a memória em dia deve ter lembrado da formação tática do Flamengo de 2007. Para aproveitar os avanços dos laterais Léo Moura e Juan, Joel Santana montava o meio-campo com quatro volantes. Cinco anos depois, o treinador repetiu a opção na Argentina. Desta vez, com Léo e Junior Cesar. Nesta quarta-feira, no estádio Ciudad de Lanús, conhecido como La Fortaleza, Joel armou um muro no meio-campo e conseguiu segurar o Lanús. Poderia até ter vencido pelo que fez nos últimos dez minutos, mas falhou nas finalizações. Na estreia no Grupo 2 da Libertadores, o Rubro-Negro fechou a porta, saiu na frente, mas permitiu o empate: um justo 1 a 1. Léo Moura, destaque do time neste início de temporada, abriu o placar no fim da primeira etapa. No segundo tempo, Carranza, que acabara de entrar, empatou.

Com o resultado, as equipes ficam empatadas na segunda posição, com um ponto cada. O Emelec, do Equandor, que derrotou o Olimpia na sexta-feira passada, tem três e lidera. Os paraguaios estão na lanterna, ainda sem pontos.

Na segunda rodada, o Lanús visita o Olimpia, do Paraguai, na próxima quinta-feira, no estádio Defensores del Chaco. O Rubro-Negro joga no dia 8 de março, no Engenhão, contra o Emelec, do Equador.

Flamengo joga mal, mas acha o gol

Flamengo é Flamengo. Na véspera da partida, Joel Santana usou a frase de Ronaldinho para dizer aos jornalistas argentinos que o time dele jogaria contra o Lanús para vencer, mesmo fora de casa. Só que o Flamengo de Joel joga com quatro volantes no meio-campo, não tem rumo e carece de criatividade. Procura, mas não consegue encontrá-la. Saída de bola? Não existe. Sem Vagner Love, suspenso, o treinador tinha a opção de lançar Bottinelli no meio-campo, mas deixou o argentino no banco. Luiz Antonio, até então titular, foi barrado.

A formação com Airton, Maldonado, Willians e Renato teoricamente deveria permitir os avanços de Léo Moura e Junior Cesar pelas laterais, mas sempre que um deles partia ao ataque era um Deus nos acuda na defesa rubro-negra. Sem cobertura, ambos se viram travados pelo ataque veloz e consistente do Lanús, que rondava a área de Felipe com frequência. Simplesmente não havia ligação entre meio-campo e ataque. Os chutões de David Braz e Welinton não davam em nada, e Deivid e Ronaldinho foram peças nulas a maior parte do tempo no gramado de La Fortaleza.

Pavone, Pavone, Pavone. O camisa 9 granate é o dono do time. O jogo argentino acaba sempre nele. O centroavante é finalizador, mas também tem velocidade. Em chute de longe, Felipe teve de se esticar todo para espalmar. E ainda tinha Neira e Valeri. Aos seis, Valeri cruzou para a área, Renato e Deivid furaram, e Balbi ficou com a sobra na segunda trave. O chute forte parou no pé esquerdo do goleiro brasileiro.

Apagado, Ronaldinho pouco apareceu e quase não encontrou a bola. Uma cobrança de falta na barreira foi o máximo. Pouco para o homem que Mano Menezes tem como pilar da Seleção Brasileira. Renato, em cobrança de muito longe, e Deivid, em chute da entrada da área, conseguiram levar algum perigo ao goleiro Marchesin. Ambos erraram o alvo.

Além de qualidade, faltou cuidado aos rubro-negros. Aos 20, Welinton tentou desarmar Pavone na área e solou o argentino. O árbitro marcou jogada perigosa. Em cobrança ensaiada, Araujo rolou para a marca do pênalti, Neira, sem marcação, bateu de primeira, e a bola explodiu no travessão de Felipe.

A parte final do primeiro tempo até apresentava equilíbrio na posse de bola, mas enquanto o Flamengo tocava para os lados e abusava dos erros de passe, o Lanús jogava de forma aguda. Só que uma diferença importante pesou no resultado do primeiro tempo: o Rubro-Negro soube aproveitar o único erro dos argentinos. Aos 45, após longa troca de passes, a jogada foi de lateral para lateral: Junior Cesar cruzou rasteiro da esquerda, dois defensores enrolados deixaram a bola passar, e Léo Moura, livre, completou de pé direito na segunda trave: 1 a 0. Segundo gol dele nesta edição da Libertadores. Léo começa a temporada como destaque da equipe.

Antes de partirem para o vestiário, Felipe e Ronaldinho foram até o árbitro Roberto Silvera. Com um corte no rosto, o goleiro reclamou que torcedores do Lanús atiraram um isqueiro sobre ele.

La Fortaleza rubro-negra não suporta pressão

Lanús no ataque, Flamengo na defesa. O segundo tempo foi uma reedição do primeiro. O dominínio argentino continuava, mas a retranca de Joel suportava bem. Em muitos momentos, o Rubro-Negro mantinha todos os jogadores dentro do próprio campo. Pavone, principal jogador granate, saiu mais da área e arriscou algumas jogadas individuais, mas sem sucesso. Tentou também um chute de longe que saiu sem direção. O técnico Gabriel Schurrer decidiu mudar. Lançou o atacante Romero no lugar do meia Neira.

O Flamengo passou a ter mais posse de bola a partir dos 20 minutos, mas errava muito na troca de passes. Além de jogar mal, Ronaldinho foi desatento. Numa inversão de bola da direita para esquerda, armou um contra-ataque que deixou a defesa em apuros. O camisa 10, nada produtivo, quase criou um problemão. Joel decidiu mudar, aos 27. Airton saiu para a entrada de Darío Bottinelli. Um minuto depois, Pereyra saiu no Lanús para a entrada de Carranza. A troca de Gabriel Schurrer funcionou de cara. Em jogada de raça, os argentinos ganharam duas divididas e chegaram na área brasileira. Pavone recebeu de costas para o gol, ajeitou com um toque, e Carranza fuzilou Felipe de esquerda para empatar: 1 a 1.

A igualdade deixou o jogo aberto. Com um volante a menos, o Flamengo passou a atacar mais e com qualidade, cresceu na saída de bola e até conseguiu envolver o adversário. Em cinco minutos, Bottinelli e Deivid tiveram boas chances. O argentino chutou duas vezes: isolou na primeira, livre na área, e parou em Marchesin na segunda. Deivid tentou de longe, e o goleiro novamente espalmou. Tivessem um pouco mais de capricho, a estreia poderia ter sido com vitória. No balanço dos dois tempos, um resultado justo. (blog do Vicente Cidade, Belém - PA, Brasil)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

MANDA ver um comentário aí!