quarta-feira, 9 de maio de 2012

DAREMOS um tempo

POR razões de foro íntimo, darei um tempo neste blogue. Obrigado a todos que nos honraram com sua visita.


Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

quinta-feira, 3 de maio de 2012

FLAMENGO continua devendo

O BALANÇO do Flamengo referente a 2011 mostra que o clube continua devendo… Ao seu torcedor. Sim, também tem as dívidas, ainda maiores agora, mas a dívida maior do clube é com a grande massa que o tem no coração.



Na tabela acima, mostrando os maiores faturamentos (até o momento, mas não creio que vá haver alguma mudança) por ordem de receita total dos clubes, a posição que o Clube de Regatas do Flamengo ocupa não é condizente com a posição que ocupa no cenário do futebol e do marketing. E isso é devido, nítida e claramente, aos problemas de gestão e de política interna do clube.

A receita com direitos de transmissão, o Broadcasting, foi impactada pelas luvas e, provavelmente, pelo adiantamento recebido das emissoras. Tal como apontei no texto sobre o balanço do Corinthians, os números reais estarão abaixo desses a partir desse ano. O faturamento do marketing foi razoável, mas abaixo do que se esperava com a chegada de Ronaldinho. Na verdade, o Flamengo enfrentou problemas nessa área, ainda não solucionados, a ponto do clube estar sem patrocínio máster. O reflexo do ano ruim pode ser visto na receita de bilheteria, bem abaixo de 2010 e, principalmente, 2008 (21,1 milhões de reais) e 2009 (20,0 milhões).




Essa outra tabela mostra a evolução das receitas totais desses seis clubes (os seis com balanços disponíveis até a manhã dessa segunda-feira, dia 30 de abril) nos últimos 5 anos. Um período razoável, suficiente para uma boa ideia do comportamento desse mercado e desses players. Reparem que os dois clubes com menor crescimento percentual no período são os dois que mantiveram-se estáveis, tanto nos gramados como nos balanços. No período, a receita rubronegra evoluiu bem, a ponto de nos três primeiros anos desse ciclo ter permitido uma redução pequena, mas significativa, no estoque da dívida.



Na tabela acima podemos ver a receita com transferências de atletas de cada um dos clubes entre 2007 e 2011, ano a ano. Na sequência vemos a receita total obtida com essas transferências e a receita total do clube. Na última coluna temos a proporção entre a receita com transferência comparada à receita total do clube. Nesse caso, nesse trabalho, a baixa participação desse quesito sobre a receita total é um ponto positivo, no sentido de mostrar que a evolução do faturamento deu-se numa base mais sólida e menos sujeita aos humores da formação de atletas. Todavia, mesmo analisando por essa perspectiva, a receita total do clube continua baixa, em total descompasso com a posição e o papel (teóricos) do clube no mercado.

Fica claro, igualmente, pela visão desses números, que o clube precisa investir fortemente na formação de jogadores e também na contrate precisa investir fortemente na formação de jogadores e também na contrate precisa investir fortemente na formação de jogadores e também na contratação de atletas com potencial para evoluir e deixar receita no clube.

Dirão muitos que isso é um atraso, que um clube tem que contratar bem para ganhar campeonatos. É uma visão, mas de difícil implementação, além de sujeita a chuvas & trovoadas, como demonstra, não por coincidência, a própria relação Flamengo/Ronaldinho.


Passivo explosivo
O passivo do clube explodiu, simplesmente. O passivo circulante aumentou 52%, o não circulante aumentou 109% e no total o passivo deu um pulo extraordinário e assustador de 172%.

Numa visão preliminar, as dívidas junto a instituições financeiras, tributárias e fornecedores, aumentaram de 293,2 milhões em 2010 para 335,3 em 2011, um avanço de 14,4%, o que seria uma evolução pequena e pouco preocupante quando comparada à receita. Entretanto, a visão geral do passivo muda a entonação. Esses números foram impactados por reavaliação patrimonial e alguns outros ajustes, e exigem uma análise mais cuidadosa e aprofundada. Conversei com duas pessoas com ampla vivência na Gávea e o que ouvi foi pouco animador e nada esclarecedor, pois também elas estão entre perplexas e preocupadas com a realidade mostrada – ou não mostrada – pelo balanço. Por isso, peço que considerem esses valores de dívida como provisórios, pois prefiro aguardar outras análises, feitas por profissionais da área contábil, mais aprofundadas e melhor embasadas.

Por sinal, nessa temporada os especialistas terão que trabalhar um bocado para entender e explicar muitos números, mas não só do Flamengo, que, definitivamente, não está sozinho nessa situação. (Olhar Crônico Esportivo, Emerson Gonçalves)

TORCIDA bicolor quer vingança contra o Coritiba


Torcida Bicolor quer vingança contra o Coritiba (Foto: Mario Quadros)
(Foto: Mario Quadros)



PRECISANDO golear, o Paysandu enfrenta o Coritiba (PR), às 19h30, no estádio Mangueirão, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. Como perdeu o jogo de ida por 4 a 1, o Papão tem que vencer os curitibanos por 3 a 0, ou por mais de quatro gols de diferença, caso sofra gols.

Esta partida não envolve apenas uma possível, porém difícil, classificação bicolor às quartas de final da competição. Envolve também a honra do apaixonado torcedor paraense que foi menosprezado pelo repórter Dorival Chirspim, da Rádio Transamérica de Curitiba. Ele afirmou que o Paysandu não teria uma torcida grande, pelo menos maior o suficiente para superar o público de um pouco mais de nove mil espectadores que compareceram ao Couto Pereira, por ser o clube de Série C do Campeonato Brasileiro.

A declaração do repórter catalisou uma grande manifestação de paixão do torcedor ao Paysandu em 2012. Fez o torcedor bicolor ir às bilheterias do clube, nos dois primeiros dias de venda antecipada e comprar mais de 20 mil ingressos, criando uma expectativa de um público superior a 40 mil espectadores.

E com a Avalanche Bicolor fazendo o seu papel, o time bicolor tem uma única e exclusiva obrigação: honrar essa imensa torcida. Como? Demostrando o mesmo futebol que impôs sobre o Sport (PE) aqui em Belém. Só que sem a obrigação da classificação, se vier ótimo, mas com a responsabilidade de apresentar um futebol envolvente e incisivo, capaz de agradar a nação alviceleste e produzir um coro de gol de 40 mil vozes vingadoras presentes no Mangueirão.

Afinem essa defesa!
O trabalho que o ataque bicolor tem que desempenhar na noite de hoje não é um dos mais fáceis - tentar reverter o largo placar construído pelo Coritiba (PR), no Couto Pereira. Mas, para quem acompanha o Paysandu bem de perto, sabe que o time comandado pelo técnico Lecheva tem condições de descontar os três gols necessários para chegar às quartas de final, devido as inúmeras oportunidades que o Papão cria em seus jogos.

Porém, o setor que determinará uma possível classificação não será, essencialmente, o ataque, mas a defesa, porque se alguma bola passar pelo goleiro Ronaldo, a tarefa de chegar à próxima fase se complicará, pois o Paysandu terá que vencer os curitibanos por uma vantagem de quatro gols. “Temos que fazer os gols e ter a preocupação de não tomar, por isso vai ser bem árdua a tarefa”, analisa o zagueiro Douglas.

Portanto, a postura bicolor para realizar um bom jogo será a de concentração total. “Os 15 e 20 primeiros minutos vão ser cruciais, muito importantes para desempenhar uma grande partida e sair com essa classificação”, observa Douglas, que reconhece o fraco futebol apresentado pela equipe na partida de volta, principalmente no primeiro tempo. “Infelizmente fizemos por onde estar nessa situação, por conta do jogo passado. Tínhamos que ter entrado com um pouco mais de atenção, mas não aconteceu”, lamenta. “Isso faz parte do futebol e agora é cabeça pra cima”, completa. (A.S.)

INFLAMADA Resposta da torcida bicolor é a imensa procura por ingressos na Curuzu

É partir pro tudo ou nada!
Com dúvidas para a melhor formação da equipe, o técnico Lecheva deve revelar a onzena que inicia a partida de hoje à noite, no Mangueirão, minutos antes de entrar em campo. Durante a semana, o treinador bicolor experimentou a formatação do meio campo com Vanderson, Billy, Harison e Djalma; avançando o meia Thiago Potiguar para jogar ao lado de Rafael Oliveira, no ataque. “Ainda tem algumas dúvidas, tanto é que nos coletivos realizei duas mudanças, mas ambas tiveram o seu lado bom e o seu lado ruim, mas somente momentos antes da partida que podemos definir”, despistou Lecheva.

Só que, segundo Lecheva, independentemente de quem começar jogando a postura da equipe será a mesma dos últimos jogos. “Um time ofensivo. Vamos jogar sempre em busca do resultado, ainda mais jogando em casa”, acrescenta. Porém, a equipe tem que jogar em equilíbrio, mesmo precisando marcar três gols ou mais, o time não pode sofrer gols. “Não podemos desguarnecer atrás, porque se tomarmos um gol aqui, as coisas ficarão muito mais complicadas. Então a gente tem que ter um equilíbrio, mesmo precisando fazer três gols para ter a classificação”, explica.

Com a experiência vivida em Curitiba, o comandante bicolor conseguiu detectar, de forma mais concreta, as virtudes e defeitos do alviverde curitibano. Agora é colocar o treinamento em prática para vencer o adversário no Mangueirão. (Diário do Pará)

quarta-feira, 2 de maio de 2012

NEYMAR e a heresia

Fernando Borges/Terra)
 (Crédito: Fernando Borges/Terra)

NEYMAR é o melhor jogador brasileiro. É titular da Seleção Brasileira e a grande esperança do Brasil no próximo mundial.É o maior astro do futebol do País.

Mas,  virou uma heresia apontar um defeito ou ousar fazer uma crítica sobre a execução do seu trabalho.

Quem se atreve a dizer que algumas firulas poderiam ser evitadas é acusado até de anti-pátria. Aquele que sugere cuidado para não confundir a exibição do seu farto talento, com gestos de humilhação aos limitados marcadores, é considerado amante da mediocridade. Se é alertado para que não corra riscos desnecessários, não “pedindo” faltas duras ou desleais, o alerta é considerado castração da genialidade.Quando alguém observa que, hoje, o futebol é um grande negócio e quem está nele não quer ser menosprezado ou humilhado, é vítima de risos irônicos.

Embalar Neymar com declarações ufanistas e considerar destruidoras simples observações para correção de rota, é um equivoco. Nos últimos tempos,  pensar diferente sobre alguns “vôos” de Neymar após receber marcação ou faltas, deixa você na condição de herege. Quando alguém é contrario a algumas mensagens que Neymar deixa fazendo o seu trabalho em campo, corre o risco de ser considerado inimigo do estado.  E a Santa Inquisição durou cinco séculos.

Não basta achar Neymar um novo gênio da bola.  Para escapar da Inquisição é preciso a idolatria.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

UMA torcida de primeira divisão


 A TORCIDA azulina lotou o Mangueirão para ver a decisão do returno. No tal, 40.139 espectadores presentes – sendo 36.809 pagantes. A renda foi de R$ 367.094,00, cabendo ao Remo o valor líquido de R$ 236.460,20 (descontadas as despesas, de R$ 130.633,80).Foi o maior público do Campeonato Paraense, ultrapassando o do Re-Pa. Foi o segundo maior público da rodada em todo o Brasil, perdendo apenas para o super clássico paulista São Paulo x Santos, que teve 45 mil pagantes. 

Fotos: Mário Quadros (Diário do Pará)

LEÃO AZUL recuperou seu espaço no cenário paraense


Leão recuperou seu espaço no cenário local (Foto: Thiago Araújo)
Grupo se fechou e o Remo está, claro, mais forte (Foto: Thiago Araújo)


FALTAVA ainda um minuto para o terminar a partida. Os jogadores reservas, junto com a comissão técnica, já estavam comemorando à beira do gramado, só esperando o apito final do árbitro para poder invadir o gramado e comemorar o título do segundo turno.

Joelson Silva dos Santos soou o apito e o Mangueirão entrou em festa, fogos estourando, fitas brancas voando das arquibancadas para o gramado e os jogadores correndo, pulando e se abraçando de tanta alegria contida, já que o Clube do Remo não ganhava um título desde 2008, quando foi campeão estadual.

E para alguns jogadores, a boa atuação aliada a classificação para fazer a grande finalíssima contra o Cametá, foi um desabafo e a reconquista moral, que foi perdida no primeiro turno quando o Leão foi eliminado pelo próprio Águia de Marabá, no Zinho de Oliveira.

Para dois atletas a grande conquista foi em especial. Para o goleiro Jamilton, a sua bela apresentação na tarde de ontem lhe garantiu uma volta por cima, principalmente para quem o criticou bastante no período que esteve no banco de reservas. “Eu saí do time depois daquele jogo da Tuna, quando falhei e assumi. Continuei trabalhando e esperando a oportunidade para mostrar que sou um grande goleiro e mostrei hoje (ontem)”, desabafou, emocionado.

O lateral Cametazinho também estava bastante emocionado ao final do jogo. Para ele a conquista deste turno nunca será esquecida. “Pra mim é uma grande satisfação. Agradeço a esta imensa torcida, aos meus pais que me apoiam. Isso é muito gratificante (título) principalmente para mim que estou começando agora”. (Diário do Pará)

domingo, 29 de abril de 2012

REMO é campeão do returno paraense

DEPOIS de quatro anos sem ganhar um turno sequer, hoje o Remo, que já havia ganho do Águia de 1 a 0 em Marabá, podia perder até por diferença de um gol. 

Gastou o primeiro tempo, mas no segundo tempo, depois que o técnico Flávio Lopes substituiu Joãozinho por Marciano, o Leão mudou de postura. Resultado: 2 a 0, com o primeiro gol de Fábio Oliveira e o segundo marcado por Jhonatan.

O Fenômeno Azul, como era esperado, foi um espetáculo a parte. Compareceram mais de 40 mil pagantes ao Olímpico Edgar Proença, registrando-se 36.809 pagantes. O total arrecadado foi na ordem de R$ 36.094,00.

Parabéns ao Leão Azul paraense. Agora, que venha o Cametá.

LEÃO AZUL decide turno 47 anos após dia em que Pelé vestiu azul marinho

APÓS a camisa 10 ser lembrada com tristeza por conta da confirmação da ausência de Magnum na final do returno contra o Águia, outro camisa 10 é considerado motivo de alegria entre os remistas. Isto porque hoje, dia 29 de abril, quando o Remo decidirá o returno do Parazão, festeja-se os 47 anos do amistoso entre Remo e Santos, que contou com a entrada de Pelé vestindo a camisa azul marinho no estádio. O Portal ORM conversou com um dos torcedores que estavam naquele jogo e descobriu detalhes da partida. Veja abaixo!

O benemérito do Clube do Remo, Orlando Ruffeil (foto), de 60 anos, tinha apenas 14 anos quando foi levado por um tio ao estádio Evandro Almeida, o famoso Baenão, para assistir o Rei Pelé jogar no momento em que, para muitos, o camisa 10 estava no auge da carreira, com 24 anos.

Orlando Ruffeil, benemérito azulino e historiador
Emocionado, Orlando contou que a Cidade das Mangueiras ficou em êxtase desde o momento da chegada do alvinegro praiano: 'O Santos chegou aqui dois dias antes do jogo. Fui ao aeroporto para receber os jogadores e estava tudo lotado. Ainda consegui ver o Pelé de perto. Já tinha ouvido no rádio os jogos dele, mas não imaginava que ele ia fazer tudo o que fez no jogo contra o Remo. Realmente era o Rei, é até hoje e vai continuar sendo sempre!'.

Já no Baenão, às 21h30 de uma quinta-feira, dia 29 de abril de 1965, o benemérito remista lembra que a entrada de Pelé foi 'triunfal'. 'Houve uma homenagem a ele feita pelo Remo, mas o que mais marcou mesmo foi a entrada do Rei vestido com a camisa do Remo e levando um buquê de flores. Foi impressionante. Inesquecível!', classificou.

Com a bola rolando, o Santos, que estava em uma das várias excursões que fez pelo Brasil, começou em ritmo lento e chegou até a estar perdendo para o Remo, que jogava com o time reserva, já que o titular também estava em excursão, mas pela Amazônia.


'Estava tudo muito lindo, mas ficou bom mesmo logo depois que o Zanzé fez o segundo gol do Remo e a torcida começou a gritar o nome dele. O Pelé pegou a bola, a colocou debaixo do braço e atravessou o gramado olhando para a torcida. Parecia que ele dizia assim 'Ah! É gol que vocês querem? Então lá vai'. Só o Rei fez cinco gols, quase um atrás do outro. Anos depois, fui pesquisar e, como sou o 'pelemaníaco', descobri que esta foi a maior quantidade de gols que ele fez em uma partida. Imagina a honra de quem esteve ali, assistindo a tudo isto?', salientou.


Aliás, o placar daquele jogo terminou 9 a 4 para o Santos, mas, em uma das raras oportunidades em que o placar é o que menos interessa no futebol, Orlando lembrou do lance em que o Rei do futebol 'brincou de jogar bola'. Marcaram para o Remo, Walter, Zanzé (2 vezes) e Faustino. Já para o Santos, fizeram Pelé (5 vezes), Coutinho, Toninho Guerreiro, Peixinho e o futuro capitão do Tricampeonato mundial, que estreava naquela noite pelo Santos, Carlos Alberto Torres.

'Daquele time do Remo, somente dois titulares estavam presentes porque eram da Aeronáutica e não foram liberados para seguir na excursão pela Amazônia. Um deles era o zagueiro Socó, um dos melhores que vi no futebol paraense em toda a minha vida. O negócio é que do outro lado tinha o Pelé. O cara era demais! Em um lance, ele foi com a bola e tabelou com a canela do Socó. Você acredita nisso? Ele tabelou com a canela do adversário para driblar o resto. Era inacreditável!', recorda.

Aliás, a formação do Remo que enfrentou o Santos contava com Arlindo; Jorge Mendonça, Faustino, Socó, Zeca e Walter; Zé Ilídio, Rangel, Zanzé, Santos e Chaminha. 'O curioso é que, depois deste jogo, este time reserva acabou virando titular', lembra 'seu' Orlando. Os titulares eram François; Ribeiro, Socó, Edílson, Zé Luís e Casemiro; Neves, Valmir, Zequinha, Quibinha e Chaminha. Por outro lado, o Santos tinha Claudio; Carlos Alberto Torres (capitão do Tri Mundial pela Seleção), Mauro (capitão do Bi Mundial pela Seleção) e Geraldinho; Lima e Haroldo; Peixinho (Toninho Guerreiro), Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.

Após o jogo, Pelé atendeu a torcedores e jornalistas e o Santos deixou Belém no dia seguinte. Ao recordar do amistoso, realizado para gerar renda para o Remo com bilheteria e para o Santos com cota de participação, Orlando aproveitou para contar que a renda daquele amistoso foi de 50 milhões de cruzeiros (correspondente a R$ 28.571,72), mas que o grande valor foi histórico. 'Conta-se nos dedos as camisas que o Pelé vestiu como jogador de futebol e a do Remo é uma delas', frisou.

Já para este domingo, sem Magnum e, provavelmente, com Betinho vestindo a camisa 10 remista, o benemérito e torcedor do Clube do Remo disse que acredita na magia da camisa 10 para guiar o time na decisão. 'Lógico que sabemos que o Águia tem um grande camisa 10 também, que é o Flamel, mas confio no camisa 10 remista e acho que o Betinho vai deslanchar. Vai ser o nosso título em um jogo no dia que a magia do futebol do Rei vai ajudar o Leão', finalizou. (Portal ORM, Belém - PA, Brasil)

sábado, 28 de abril de 2012

GUARDIOLA dá adeus ao Barça


(do blog do Juca Kfouri)

BOTAFOGO oferece Engenhão para Copa das Confederações

Presidente do clube carioca oferece estádio como opção caso Maracanã não fique pronto a tempo da competição


O PRESIDENTE do Botafogo, Maurício Assumpção, revelou nesta sexta-feira (27) pela manhã que o Engenhão, administrado pelo clube, está pronto para receber a Copa das Confederações de 2013 na eventualidade de as obras do Maracanã atrasarem e a Fifa decidir pela troca de estádio. O Rio será uma das sedes da competição, a principal do calendário da Fifa antes da disputa da Copa do Mundo de 2014.

O mandatário botafoguense revelou que, no segundo semestre do ano passado, o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, lhe disse que a entidade que controla o futebol mundial havia credenciado o Engenhão para a Copa das Confederações. "O Ricardo foi à Fifa e depois me falou isso. Foi uma medida preventiva, caso houvesse algum problema com o Maracanã", afirmou. 


De acordo com o dirigente, inspetores da Fifa têm visitado o Engenhão quatro vezes por ano, em média. Isso também ocorre com os representantes do Comitê Olímpico Internacional (COI), com o qual o Botafogo tem uma parceria, lembrando que o Rio será a sede da Olimpíada de 2016. "O Engenhão tem plenas condições de abrigar a Copa das Confederações. É uma retaguarda do Estado do Rio para uma eventual retirada do Maracanã", disse Assumpção. 


O dirigente frisou, no entanto, que acredita que o maior estádio da capital carioca ficará pronto a tempo de abrigar a importante competição da Fifa em 2013, quando o Brasil enfrentará o seu primeiro grande teste como organizador de um torneio de peso que conta com a chancela da entidade. 


Com a saída da empreiteira Delta Construções do consórcio que toca a reforma do Maracanã visando principalmente o Mundial de 2014, passou a pairar uma dúvida sobre o cumprimento do cronograma das obras do estádio. Por isso, o Engenhão ganhou força como possível opção de palco do Rio para a Copa das Confederações. 


Maurício Assumpção falou sobre a possibilidade de o estádio receber a importante competição enquanto acompanhou nesta manhã de sexta-feira o treino tático do Botafogo comandado pelo técnico Oswaldo de Oliveira, em um dos campos do Engenhão. No domingo o local será palco do duelo entre botafoguenses e vascaínos, pela final da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca. (Gazeta do Povo, Curitiba - PR, Brasil)

sexta-feira, 27 de abril de 2012

SOBRE arbitragem e demagogia


É MUITO fácil comprar o discurso da profissionalização da arbitragem como a o discurso da salvação e da ética.

Entretanto, as coisas não são tão simples e nem oferecem garantia de lisura.
O histórico de escândalos da arbitragem é imenso.
Vários são os casos na Inglaterra, Alemanha, Itália, França e aqui no Brasil.
Muitos escândalos na Europa estavam intimamente ligados ao volume elevado de apostas, legais naqueles países.

Árbitros foram afastados, jogadores punidos e a imagem não escapou dos arranhões.
Os casos no Brasil são igualmente antigos, no entanto, o tratamento é bem diferente e o problema parece ser encarado de forma simplista, ingênua.

Em 1997, o escândalo Ivens Mendes e a possível compra de resultados favorecendo Atlético PR e Corinthians em troca de favores financeiros e políticos para a campanha de Mendes caiu como uma bomba, mas não explodiu como deveria.

O Atlético perdeu pontos e Petraglia e Dualib não puderam mais, por um período, representar seus times junto a CBF.
A Comissão de Arbitragem mudou mas manteve hábitos nada salutares.

Outra bomba explodiu em 2005 com um novo escândalo.
O árbitro Edilson Pereira de Carvalho foi afastado e 11 jogos do Brasileiro apitados por ele foram considerados “contaminados”.
Os jogos foram “rejogados” e Edilson até ganhou uma graninha com o lançamento de um livro.
Os nomes mudaram na Comissão, mas as trapalhadas continuavam
Edson Rezende fez a transição do período Armando Marques para Sérgio Correa, que assumiu em 2006.
Pouco tempo depois, Sérgio já teve que esclarecer sua relação com a ex-árbitra Ana Cecílio.
Mas os problemas particulares não eram os mais complicados para ele.
A arbitragem mineira dava claras demonstrações de falta de comando e seriedade.
Sob o comando do falecido Lincoln Afonso Bicalho, sete árbitros foram acusados de superfaturamento de passagens e hoteis e os sete foram afastados. 

Em 2008 era Anselmo da Costa que tinha sem nome ligado ao Instituto Wanderley Luxemburgo.

O caso dos ingressos para um show da Madonna que seriam para Wagner Tardelli serviu para mostrar que nem a defesa dos árbitros era mais ouvida e Tardelli deixou de apitar a partida mais importante do ano.

O novo capítulo promete ser quente. Gutemberg de Paula, que obteve escudo FIFA ano passado, perdeu seu escudo e saiu atirando para todos os lados.
A credibilidade era questionada e ainda é, mas o discurso de moralidade ainda se mantém atrelado ao profissionalismo da arbitragem.

Faço um convite ao pensamento: quanto tempo seria necessário para regularizar e regulamentar a profissão de árbitros no Brasil?

É possível crer no que acontece nas quatro linhas até a aprovação e regulamentação?
Faço uma outra e talvez mais cruel pergunta: quem gostaria de ter como empregado os árbitros no Brasil? 

Com uma folha vasta de escândalos e poucas punições, o patrão (CONAF ou CBF) seria o mesmo e mais aberto ainda aos desvios de conduta.
É fácil e simplista o discurso da profissionalização.

O futebol brasileiro e a arbitragem brasileira só terá credibilidade quando o poder da CBF mudar e quando os envolvidos com as maracutaias do poder forem devidamente punidos. (blog do Marra, Belo Horizonte - MG, Brasil)

CORITIBA goleou Paissandu ontem pela CB

O jogo
O Coritiba dominou o primeiro tempo. Com passes rápidos, fez três gols em nove minutos. No início do segundo tempo, abusou do preciosismo e permitiu o gol dos visitantes. Depois disso, o Coxa teve dois pênaltis, ambos sofridos por Rafael Silva. Roberto perdeu um e Tcheco fez o outro.
Elenco
Técnico admite poupar titulares no Estadual
Os jogadores que entraram em campo ontem já sabem que terão um fim de semana para descansar. A maioria, pelo menos. No domingo, o Coxa enfrenta o Roma Apucarana pela última rodada do segundo turno e boa parte dos titulares será poupada do confronto, com os jovens recebendo uma oportunidade. Oliveira já adiantou que o meia Thiago Primão será escalado. Já o goleiro Edson Bastos será o contraponto da experiência. “Vou procurar levar o entrosamento que eu tenho com eles [outros jogadores da base] para dentro do campo”, prometeu o meia Rafael Silva, que chegou ao Coxa em 2010, após 11 anos na base do Corinthians. O jogador, que sofreu dois pênaltis, foi elogiado por Marcelo Oliveira. “O Rafael Silva é um jogador rápido e que tem um futuro promissor”, resumiu o comandante. (Gazeta do Povo, Curitiba - PR, Brasil)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

MANÉ Garrincha, a alegria do povo

Nem precisa comentar.

PALMEIRAS e Goiás vencem nas oitavas da CB

A Portuguesa empatou com o Bahia na estreia de Geninho

 

PALMEIRAS e Goiás abriram com vitórias, nesta quarta-feira à noite, a fase oitavas-de-final da Copa do Brasil. Eliminado da disputa do título paulista, o Palmeiras venceu o Paraná, por 2 a 1, em Curitiba. O Goiás, em Goiânia, venceu o Atlético Mineiro, por 2 a 0. A Portuguesa decepcionou ao empatar sem gols com o Bahia, no Canindé, em São Paulo.

 Confira! 

Em Curitiba, o Palmeiras não jogou bem, mas desta vez venceu: 2 a 1 no Paraná. Marcos Assunção, de falta, abriu o placar, mas o time paranaense empatou com Luizinho, ainda no primeiro tempo. No segundo tempo, de pênalti, Henrique fez o gol da vitória palmeirense.

Este resultado dá ao Palmeiras uma ampla vantagem na volta, em São Paulo, no dia 9 de maio. Pode empatar por qualquer placar. E até a derrota por 1 a 0 vai classificar o time paulista. Quem sair desta disputa vai pegar o vencedor de Cruzeiro e Atlético-PR.

No Canindé, nem a estreia do técnico Geninho no lugar de Jorginho, deu jeito na Portuguesa que não foi além do zero a zero com o Bahia. O empate com gol na volta, dia 10 de maio, dará a vaga para a Lusa. Quem vencer, avança e vai enfrentar o vencedor do duelo entre Grêmio e Fortaleza.

GOIÁS BATE O GALO

No Estádio Serra Dourada, em Goiânia, o Goiás venceu o Atlético Mineiro, por 2 a 0, com gols de Rafael Tolói e Ricardo Goulart. A volta será disputada na próxima quinta-feira, dia 3 de maio, em Minas Gerais.

O Galo vai precisar reverter a vantagem. Para garantir a vaga sem depender dos critérios de desempate o time mineiro precisa vencer por três gols de diferença. O vencedor deste duelo vai pegar o ganhador do duelo entre São Paulo e Ponte Preta.

DOIS JOGOS

Nesta quinta-feira, dois jogos serão realizados pela primeira rodada das oitavas de final. Ponte Preta e São Paulo fazem o duelo paulista no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, enquanto o Coritiba recebe o Paysandu no Estádio Couto Pereira.

No dia 2 de maio, a rodada será completada com as outras três partidas restantes: Fortaleza x Grêmio, Atlético-PR x Cruzeiro e Vitória x Botafogo.

Confira os confrontos das oitavas de final:

Quarta-feira

Portuguesa-SP 0 x 0 Bahia-BA
Goiás-GO 2 x 0 Atlético-MG
Paraná-PR 1 x 2 Palmeiras-SP

Quinta-feira
19h30

Coritiba-PR x Paysandu-PA

21h50
Ponte Preta-SP x São Paulo-SP

Quarta-feira (02/05)

19h30

Fortaleza-CE x Grêmio-RS

21h50Atlético-PR x Cruzeiro-MG
Vitória-BA x Botafogo-RJ
 

quarta-feira, 25 de abril de 2012

COM BAENÃO vetado pela PM, Remo busca título no Mangueirão

A DECISÃO do segundo turno do Campeonato Paraense não será no estádio Baenão, de propriedade do Clube do Remo. Em reunião nesta terça-feira, 24 de Abril, no comando da Polícia Militar do Estado do Pará, estiveram reunidos o Ministério Público, o comando da PM e representando o Clube do Remo o presidente Sérgio Cabeça.
O Fenômeno Azul deverá invadir o Olímpico Edgar Proença
As autoridades esperavam por um plano se segurança do clube que não apresentou e com isso foi dito ao presidente, que seria de sua responsabilidade, caso acontecesse algum problema no dia da decisão entre Remo e Águia.

A PM analisou que na última partida do Remo contra a equipe do São Raimundo no Baenão, torcedores tiveram dificuldade para entrar no estádio, catracas foram derrubadas e portões arrombados e poderia ser muito pior em um dia de decisão.

Ao sair da reunião, o presidente do Remo Sérgio Cabeça anunciou para a imprensa que o jogo será no Mangueirão domingo dia 29 às 16:00 e com ingressos ao preço de 10 reais uma arquibancada e pediu para o torcedor comprar todos os 40 mil ingressos que nesta quinta-feira, serão colocados à venda.

Sobre a decisão de domingo, o Remo tomou mais um duro golpe. Além do goleiro Adriano expulso, o volante André e o atacante Cassiano suspensos, na recontagem dos cartões do elenco, foi anunciado pela diretoria do Remo que o meia Magnum também tomou o terceiro cartão amarelo. Com isso, o treinador Flávio Lopes terá que mexer em quatro posições na equipe titular.

O Remo pode perder até por um gol já que jogando por dois resultados iguais, venceu o primeiro jogo fora de casa por 1 a 0.

Está sendo esperada uma grande festa no Mangueirão no domingo! (Abner Luiz, Futebol Interior)

QUEM disse que o Barcelona era imbatível?


Foto: AFP
O CHELSEA está na final da Liga dos Campeões. E com méritos. Desculpe os que pensam de forma diferente, mas o time inglês mereceu chegar à decisão. O Barcelona, o poderoso Barça, ficou pelo caminho. Parou nas semifinais, deixando sua legião de fãs de boca aberta, pasmos com a ousadia inglesa.

Antes do jogo desta terça-feira, no Camp Nou, cravei que daria Chelsea. Eu tinha essa convicção, por isso resolvi escrever isso nas redes sociais. É claro que virei chacota, afinal o Barcelona tem Lionel Messi e um time maravilhoso.

O jogo começou, o resultado final veio e as minhas convicções se confirmaram. Entrar numa partida diante de outro gigante, no caso o Chelsea, com a missão de fazer dois gols de diferença é difícil. Muito difícil. Até mesmo para o Barcelona...

É verdade que o Barça foi melhor que o Chelsea nos dois jogos das semifinais. O time catalão pressionou nas duas partidas, mas parou no ferrolho armado pela equipe inglesa. O Chelsea assumiu sua inferioridade perante o rival e esse foi o primeiro passo para a vitória. Encarar o atual Barcelona de igual para igual é um suicídio e os ingleses sabiam disso.

Os mais passionais dizem: Ah, mas quanta injustiça...! O Barcelona foi melhor nos dois jogos e acabou eliminado...

É verdade, foi superior, mas ficou pelo caminho. E a classificação do Chelsea foi justa. Quando uma equipe adota uma tática, seja ela ofensiva ou defensiva, e consegue alcançar seu objetivo, ela também teve seus méritos. Por isso não se deve tirar o brilho do feito do Chelsea. E a eliminação do Barcelona tem de servir de exemplo para as demais equipes do planeta que não haviam conseguido até então parar o time catalão. Com exceção, é claro, da Inter de Milão, quando o time italiano era ainda comandado por José Mourinho.

O Barcelona teve todas as chances de se garantir na final. Até pênalti o melhor jogador do planeta, o camisa 10 Lionel Messi, perdeu, frustrando a torcida e sendo preponderante na eliminação da sua equipe. O argentino ainda acertou outra bola na trave, tentando em vão marcar os gols que colocariam o melhor time na decisão da Liga. Não teve jeito.

Futebol se ganha dentro de campo. São 90 minutos para decidir quem passa. Um ataca, o outro se defende. Ambos às vezes atacam... O futebol é cheio de alternativas. O Barcelona foi quem atacou. Já o Chelsea se defendeu. Mas conseguiu dois gols e eliminou o time da moda.

A Liga dos Campeões continua. Os ingleses estão na final. O Barça, desta vez, sobrou.

Real Madrid x Bayern de Munique


Apostei numa decisão espanhola na Liga, entre os dois maiores rivais: Barcelona x Real Madrid. Quebrei a cara. E acredito que errarei em 100% minha previsão, uma vez que na outra semifinal da Liga, que será disputada logo mais, entre Real x Bayer de Munique, em Madrid, o time alemão deve levar. Venceu o primeiro jogo por 2 a 1 e tem um ótimo time com todas as condições de segurar os merengues mesmo em seus domínios. Resta saber se o Bayern terá a mesma competência do Chelsea.

O Real é o favorito por jogar em casa e por precisar de uma vitória simples para ir à final. O Barça também era o favorito. O futebol é mágico por causa disso. Ninguém ganha na véspera. Nem o melhor. Nem Messi e Cia. A justiça passa longe do mundo da bola. Ainda bem...  (blog Salgueiro FC)


terça-feira, 24 de abril de 2012

CLUBE do Remo fez em 21 de abril último 99 anos de futebol

FOI NO dia 21 de abril de 1913 que o futebol nasceu no Clube do Remo, com o time entrando em campo pela primeira vez, quando empatou em 0 a 0 com o Guarany, que o desafiou para o amistoso no feriado nacional em homenagem a Tiradentes. O jogo foi disputado em São Braz, no local da Praça Floriano Peixoto. O time remista usando camisas com listras horizontais em azul marinho e branco, teve a seguinte escalação: Bernadino; Varrelman e Eurico; Dudu, Aimeé e Mamede; Galdino, Mário Antonico, Adolfo e Rubilar.
O Leão Azul do Norte: 99 anos de futebol
O PRIMEIRO gol da história quase centenária do futebol remista foi marcado por Rubilar, no segundo jogo, em goleada de 4 a 1 sobre o mesmo Guarany. A partida foi realizada no dia 13 de maio de 1913, em comemoração à abolição da escravatura no Brasil.

Com a organização do futebol no Estado do Pará, o Clube do Remo promoveu a estréia de sua equipe na competição promovida pela Liga Paraense de Foot-Ball, jogando e vencendo o quadro do União Esportiva, por 4 x 1, na data de 14 de julho de 1913. Primeira equipe oficial: Benardino; Galdino e Lulu; Carlito, Aimeé e Chermont; Rubilar, Antonico, Nahon, Infante e Dudu. O Remo sagrou-se campeão paraense de futebol na temporada de 1913. Esse era o primeiro de sete títulos seguidos, um feito inédito, até hoje, na história do futebol paraense.(com adaptação do BLOGUE do Valentim em 21abr.2011)

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

REMO vs Águia será mesmo no Olímpico Mangueirão

O estádio Olímpico Edgar Proença
EM REUNIÃO realizada na manhã desta terça-feira (24), ficou formalizado que o último jogo da final do segundo turno do Campeonato Paraense será no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão. Participaram da reunião o tenente-coronel da Polícia Militar do Estado do Pará Hilton Benigno, os promotores do Ministério Público Estadual (PA), Nilton Gurjão e Marco Aurélio Nascimento; e o presidente do Clube do Remo, Sérgio Cabeça.

O jogo estava marcado para o estádio Baenão, mas dependia da apresentação de um plano de segurança por parte do Remo. O plano foi apresentado, porém, foi considerado insuficiente pelos participantes da referida reunião.

“O clube (Remo) nos mostrou um plano que é até louvável. As medidas seriam a venda antecipada de ingressos somente até às 12h do domingo (29) e o aumento do número de catracas. Mas eu venho dizendo desde o ano passado que os estádios do Remo e Paysandu não suportam jogos de grande apelo popular como este. Essa mudança é para manter a segurança e para dar mais conforto ao torcedor”, explica o tenente-coronel Hilton Benigno.

A principal motivação para a mudança no local do jogo foi o tumulto ocorrido no jogo Remo x São Francisco, que aconteceu no Baenão. “Não tem jeito, os torcedores ficam tomando cerveja e só entram no estádio minutos antes da partida começar. No último jogo no Baenão, somente por sorte não ocorreu uma tragédia, visto que a quantidade de torcedores para adentrar ao estádio era muito superior à capacidade das catracas, o que gerou uma grande confusão”, afirma Benigno.

A diretoria azulina confirmou ontem uma arquibancada a R$ 25 para o jogo no Baenão. Como a possibilidade do jogo ocorrer no estádio Mangueirão era muito grande, também estava sendo cogitado o valor de R$10 para que a torcida pudesse ir em massa ao jogo. Entretanto, os dirigente azulinos ainda não se pronunciaram oficialmente  sobre os novos valores. (Felipe Melo/DOL) (da página da Rádio Clube, Belém - PA, Brasil)


Time que quer - precisa - ser campeão joga em qualquer campo. Vamos lá, Leão!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

FORA de casa, Remo vence e põe uma mão no título do 2º turno

O Leão do Norte pode até perder por um gol de diferença no jogo da volta

Foto: Tiago Araújo, Diário do Pará
O REMO largou na frente na decisão da Taça Estado do Pará, equivalente ao segundo turno do Campeonato Paraense. Mesmo jogando fora de casa, o Leão do Norte foi valente e se aproximou do título da fase, que o mantém vivo na disputa pelo estadual.
 
O jogo de volta acontece no próximo final de semana, no Baenão, em Belém. E o Remo joga por um empate ou até por uma derrota por um gol por ter feito a melhor campanha na primeira fase. Dessa forma, o time de Marabá precisa vencer por dois ou mais gols de diferença. Quem passar deste confronto encara o Cametá, campeão do primeiro turno.
 
Um dos mais tradicionais do Norte e Nordeste, o Leão tenta acabar com um jejum de títulos que já dura quase quatro anos. Sua última conquista aconteceu ainda em 2008. Depois disso, viu o arquirrival Paysandu conquistar duas taças (2009 e 2010). No ano passado, o campeão foi o Independente, que encerrou um tabu histórico de 103 anos e 98 edições sem um campeão do Interior.

Para chegar à final da Taça Estado do Pará, o clube azulino teve a melhor campanha da 1ª fase, com 15 pontos. Nas semifinais, superou o São Francisco com dois empates, por 1 a 1. Já o Águia foi terceiro colocado, com 11 pontos, e eliminou o Paysandu, com vitória por 1 a 0 e empate, por 1 a 1. Por ter feito melhor campanha, os remistas jogam por dois empates.

Se conquistar o returno, o Remo vai se garantir para disputar a final contra o Cametá, campeão do 1º turno em cima da Taça Cidade de Belém. Com isso, terá a chance de diminuir a diferença de títulos para o Papão – são 44 contra 42. Além disso, somente o título garantirá o clube no Brasileiro da Série D, o que evitará que o Leão do Norte fique sem atividade no segundo semestre.
 
 Agência Futebol Interior

SAN-SÃO e dérbi campineiro nas semifinais do Campeonato Paulista

Os duelos por uma vaga na final prometem tirar o fôlego dos torcedores

O CAMPEONATO Paulista guardou suas maiores emoções para a tarde deste domingo. Depois de o São Paulo garantir a vaga na semifinal com a goleada sobre o Bragantino, por 4 a 1, mais dois times se classificaram para a próxima fase e as primeiras zebras apareceram na fase decisiva, já que a Ponte Preta eliminou o Corinthians, fora de casa, e o Guarani bateu o Palmeiras. Na Vila Belmiro, o Peixe confirmou a vaga sobre o Mogi Mirim.

 Confira! 

Pra quem tem coração fraco, as semifinais não serão recomendadas. Isto porque dois clássicos decidirão o finalista. Um deles com mais de cem anos de história. De um lado da chave, São Paulo e Santos jogam pela decisão, no Morumbi. De outro Guarani e Ponte Preta duelam em mais um dérbi neste ano, no Estádio Brinco de Ouro.
 
Dia de frango e macacadaEm uma partida marcada por duas falhas do goleiro Júlio César, a Ponte Preta venceu o Corinthians por 3 a 2, no Pacaembu. A melhor campanha da fase de classificação acabou sendo inútil para os corintianos, que agora focam apenas na Libertadores. O fim do jogo foi emocionante, com o time da casa pressionando em busca do empate.

A eliminação no Paulistão aumenta a preocupação da torcida corintiana com relação à equipe do técnico Tite em mata-matas. Desde que o treinador chegou ao clube, foram cinco confrontos eliminatórios. O Corinthians venceu apenas Oeste (num 2 a 1 suado) e Palmeiras (nos pênaltis), no Paulistão passado. Perdeu para Santos (na final do estadual passado), Deportivo Táchira e agora para a Ponte.

Ele deu show!O Santos confirmou o favoritismo e derrotou o Mogi Mirim por 2 a 0, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. A vitória garantiu a classificação santista para as semifinais do Paulistão, quando fará o clássico com o São Paulo, que conseguiu a vaga com goleada sobre o Bragantino.

O Santos entrou em campo com desfalques importantes. Com problemas físicos, o volante Henrique, o meia Elano e o atacante Borges foram descartados pelo técnico Muricy Ramalho, que apostou em Maranhão, Ibson e Alan Kardec. Mas Neymar tratou de suprir a ausência dos três titulares.

Neymar foi o personagem do jogo válido pelas quartas de final do campeonato. Ele deu assistência para o gol de Maranhão e também marcou o seu, atingindo a marca de 99 gols com a camisa santista - virou ainda artilheiro do Paulistão, com os mesmos 13 gols de Hernane, do Mogi Mirim.


 
Quebra de tabu
Quem apostava que as semifinais do Campeonato Paulista teriam dois clássicos acertou. Mas, diferente do que acreditava a maioria, um deles não envolverá Corinthians e Palmeiras e sim os dois times de Campinas. Depois da Ponte Preta, foi a vez de o Guarani se garantir na semifinal ao vencer o Palmeiras por 3 a 2, neste domingo, no Brinco de Ouro da Princesa. Na outra chave estão São Paulo e Santos.

O clássico de Campinas, provavelmente no domingo à noite, terá mando de campo do Guarani, que tem campanha melhor do que a da Ponte Preta. Há 24 anos o time bugrino não ficava entre os quatro melhores do Paulistão.

Confira os jogos das quartas do Paulistão:
SábadoSão Paulo 4 x 1 Bragantino

Domingo
Corinthians 2 x Ponte Preta
Santos 2 x 0 Mogi Mirim
Guarani 3 x 1 Palmeiras
Veja os confrontos da próxima fase:São Paulo x Santos
Guarani x Ponte Preta
  

VASCO vai à final da Taça Rio

Na mesma semana, Mengo caiu na Libertadores e no Carioca

NUM clássico emocionante, o Vasco derrotou o Flamengo por 3 a 2, neste domingo, no Engenhão, e se classificou para a final da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca. Assim, vai enfrentar no próximo domingo o Botafogo. E quem vencer o confronto, decidirá o título estadual na semana seguinte com o Fluminense, campeão do priomeiro turno.
 Confira! 

A eliminação do Flamengo deixa o técnico Joel Santana em situação insustentável na Gávea. Já o astro Ronaldinho Gaúcho deve definir nesta semana se continua no clube para a disputa do Campeonato Brasileiro - até o dia 20 de maio, quando estreia na competição, o time flamenguista não tem mais nenhum compromisso.
 
Vascão foi melhor
A superioridade do Vasco foi flagrante na maior parte do jogo, realizado num Engenhão com público reduzido - pouco mais de 20 mil pessoas. Com 19 minutos, o time já tinha criado dez oportunidades. Com rapidez, envolvia e dominava o Flamengo.
Mas o primeiro gol foi do Flamengo. Vagner Love abriu o placar logo no início, após passe preciso de Kleberson aos dois minutos. Éder Luís chegou ao empate aos 13, depois do goleiro Felipe rebater chute de outro Felipe, o meia do Vasco. O 1 a 1 não retratava o rolo compressor imposto pela equipe do técnico Cristóvão Borges.

Ainda no primeiro tempo, Felipe chutou de fora da área e colocou o Vasco em vantagem aos 40 minutos. Desordenado, o Flamengo buscava Ronaldinho Gaúcho para tentar uma reação. O meia, mais uma vez, teve atuação apenas razoável e foi incapaz de ajudar seu time a apagar a má impressão deixada pela eliminação precoce na Libertadores, duas semanas atrás.

Trombada e pênalti
Logo no começo do segundo tempo, Alecsandro trombou com o goleiro Felipe na área e o árbitro marcou pênalti. O meia Felipe, sempre ele, bateu com categoria e ampliou para o Vasco. Tudo levava a crer que se desenhava uma goleada vascaína. Mas Kleberson renovou a esperança da torcida do Flamengo com um gol bonito, num chute de longe aos sete minutos.

A partir daí, o Flamengo se empolgou, partiu para cima e deu espaços para os contra-ataques do Vasco. Joel Santana errou ao substituir o melhor do seu time, Kleberson, por Renato Abreu. A torcida reclamou. Com chances para os dois lados, o clássico ficou indefinido até o apito final do árbitro Marcelo de Lima Henrique. Mas a vitória foi mesmo vascaína. (Futebol Interior)

sábado, 21 de abril de 2012

Coxa e Atlético se enfrentam no topo da artilharia nacional

Coritiba e Atlético adotam estratégias diferentes, mas ambos aparecem entre os times que mais marcaram gols no país em 2012

 
Duas equipes que marcam muitos gols – estão entre as sete que mais balançaram as redes no país em 2012 –, mas que atuam de maneiras diferentes para chegar à meta adversária. O Atletiba de amanhã, às 16 horas, no Couto Pereira, coloca frente a frente rivais ofensivos em uma partida decisiva do Paranaense. E que promete muitos gols.

Entre os 40 clubes que disputam as Séries A e B do Brasileiro, Coxa e Furacão têm artilharia privilegiada. O time de Marcelo Oliveira é dono do sétimo ataque mais positivo, com 52 gols em 24 jogos – média de 2,16 por partida. Já os comandados de Juan Ramón Carrasco anotaram três tentos a mais (média de 2,29 gol/jogo) e só estão atrás de Bahia (65), Vitória (59), Santos (58) e Ceará (57).

Além de volumosos, os ataques da dupla Atletiba também têm sido constantes. Em 24 partidas na temporada, o Atlético passou em branco apenas duas vezes; o Coritiba, quatro. No quesito número de goleadas (diferença mínima de três gols) o cálculo aponta vantagem de 9 a 6 para o visitante deste domingo.
Pelo Coxa, 17 atletas diferentes marcaram. No Furacão, a divisão de gols envolve 15 nomes.

“Até jogo-treino eu gosto de ganhar. Você pode ver que no padrão de jogo que temos tido até agora, o Atlético vai para cima. Faz muitos gols e toma poucos”, explica Carrasco, que trouxe do Uruguai a fama de treinador ofensivo. “Sempre dá para agregar. No futebol é assim. Se você sentir que está bem demais, que está perfeito é a hora que tende a decair. Estamos sempre trabalhando para melhorar e é isso que eu sempre peço aos meus jogadores”, opina Oliveira.

Os números positivos escondem, no entanto, diferenças entre os dois times. Enquanto o Coxa não encaixou as peças ofensivas no início do Estadual, o sistema tático implantado no Furacão funcionou de imediato. Com dois pontas e muita movimentação – sem uma referência na área –, a equipe utiliza a velocidade para furar o bloqueio dos rivais. O ponta-direita Guerrón, em boa fase, é o artilheiro do time no ano. O equatoriano fez 11 gols.

“Ficamos felizes porque temos um técnico que gosta de ganhar e de ganhar bem... Nós vemos o quanto ele quer que os atletas façam gols, que aquilo que treina seja feito dentro de campo, independentemente do adversário ou de qual seja o placar. E nós estamos adquirindo esse pensamento dentro de campo”, diz o meia Marcinho, autor de cinco gols em 2012.

No Coritiba, a jogada de maior destaque vem pelo alto. Quando o cruzamento para a área encontra a cabeça do zagueiro Emerson, as chances de gol são altas. O jogador já fez oito neste ano e lidera a artilharia alviverde. 

Mas não é so­­mente de bolas paradas que o alviverde sobrevive. A partir do momento em que Roberto e Anderson Aqui­­no se tornaram titulares, o time ganhou em rapidez e relembrou os melhores momentos de 2011. Algo que os torcedores esperam que se repita amanhã. “Sempre tem de melhorar, tanto a parte ofensiva como defensiva. Isso é trabalho”, prega o artilheiro Emerson. (Gazeta do Povo, Curitiba - PR, Brasil)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

PARA Miltão Neves, dos grandes só sobra o Peixe. No Rio, Bota e Vasco vencem


São Paulo 0 x 1 Bragantino. Tá certo que o Bragantino de hoje não é aquele Bragantino do começo dos anos 90, mas o São Paulo também não é aquela maravilha dos tempos do grande Pedro Rocha, certo? Falando em Pedro Rocha, continuamos nossa torcida para “El Verdugo”, que está doente. Clique aqui e veja a página de Pedro Rocha na seção “Que Fim Levou?”

Corinthians 1 x 2 Ponte Preta. Na semana passada não deu, mas nessa vai dar… Aquele placar igualzinho à segunda partida da final de 77, quando Dicá fez aquele golaço de falta e Ruy Rey virou, mandando a torcida corintiana ficar caladinha…

Santos 3 x 0 Mogi Mirim. Sem nenhum susto. Continuando sua toada de goleadas, o Peixe passa tranquilamente.

Guarani 2 x 1 Palmeiras. Que saudades daquele Guarani de 78, comandado pelo ótimo Carlos Alberto Silva… Mas mesmo sem Zenon, Renato Pé-Murcho, Careca & Cia, o Bugre vence o Verdão. Deu saudades do Carlos Alberto Silva?  Clique aqui e veja como ele está na seção “Que Fim Levou?”

Bangu 0 x 2 Botafogo. Não vai dar para o Bangu… Os bons tempos já se foram e o Fogão vence.

Flamengo 1 x 3 Vasco. Mais uma estocada no coração aflito dos rubro-negros. Vascão!!! Que eu amo tanto!!!

Grêmio 2 x 0 Universidade. Tá tão na cara que o Grêmio vai ganhar, mas tão na cara, que vai ganhar mesmo!!!

Internacional 3 x 0 Veranópolis. Jogando em gramado de verdade, o Inter também ratifica o favoritismo no Beira-Rio.

Vitória da Conquista 0 x 2 Bahia. Nem precisa ser de goleada, então, dois gols já está ótimo para o meu Bahia!!!

Feirense 2 x 1 Vitória. Aqui não vai dar zebra! Feirense na cabeça!!!

Joinville 3 x 1 Figueirense. Mais uma grande vitória do JEC que tem uma das camisas mais lindas do mundo e que eu mostrei na semana passada na televisão!!!

Tupi 1 x 3 Atlético-MG. O Galo abre três de vantagem, alivia no final e leva um golzinho bobo.

América-MG 2 x 0 Cruzeiro. No duelo Coelho x Raposa, no rescaldo da Páscoa, vitória do América!!!

Coritiba 2 x 1 Atlético-PR. Poderia ser mais fácil, placar mais “dilatado” como diria Mauro Beting. Vitória do Coxa.

Barcelona 1 x 3 Real Madrid. Quem mandou ganhar do Santos daquele jeito, hein, Barça? Vitória merengue!!!

NÃO DEU, Leão! Bahia 4 a 0

O adversário do time baiano nas oitavas de final será a Portuguesa


O BAHIA sofreu na primeira etapa, mas conseguiu deslanchar no segundo tempo, golear o Remo-PA, por 4 a 0, no Estádio de Pituaçu, em Salvador, no jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil e avançou para as oitavas de final da competição.

Na primeira partida, em Belém, o Tricolor havia perdido a partida por 2 a 1 e com a vitória desta quarta-feira conseguiu reverter a vantagem. Agora, nas oitavas de final, o Bahia vai encarar a Portuguesa. A primeira partida deve acontecer no Canindé.
 
O jogo
O Bahia entrou em campo com uma estratégia bem definida para tentar reverter a vantagem do adversário. O time comandando por Paulo Roberto Falcão apostava na velocidade pelo lado esquerdo do campo. Após cruzamento pelo setor, a defesa paraense afastou mal e Júnior bateu forte, de primeira, mas Adriano fez grande defesa, aos dez minutos.

Bem postada, a defesa remista conseguiu levar a melhor sobre o ataque adversário, que dependia bastante da referência de Júnior para chegar ao ataque. Por outro lado, o Remo marcava forte e saia rápido. Numa destas escapadas, Reis ganhou na velocidade, ficou de frente para o gol, mas demorou para chutar e foi travado por Marcelo Lomba.

O tempo foi passando e o gol não foi saindo. Essa situação deixou o time do Bahia nervoso e as jogadas pelo lado direito ficaram escassaz e o time comeceu a errar passes no campo de ataque, o que era bom para o Remo, que seguia sem sustos de forma sólida na defesa.

Na volta do segundo tempo, os donos da casa botaram a cabeça no lugar e conseguir marcar. Aos 14 minutos, Madson recebeu de Morais partiu para cima da marcação e cruzou para trás. O meia Lulinha desacelerou e bateu de primeira, sem chances para o goleiro Adriano.

O gol tranquilizou ainda mais o Tricolor e fez com que o Remo tivesse que sair para o jogo. Com mais posse de bola o Bahia conseguiu marcar duas vezes em jogadas muito parecidas. Primeiro, aos 27 minutos com Rafael Donato e três minutos depois com Júnior. Sempre após cobrança de escanteio de Gabriel, pelo lado direito.

Aos 34 minutos foi a vez do meia Vander dar show. O atacante, que havia acabado de entrar, recebeu lançamento longo, aproveitou falha de Diego Barros, que furou, invadiu a área, driblou o goleiro e chutou. Em cima da linha, a defesa do Remo fez o corte, mas o camisa 18 pegou o próprio rebote e ampliou. (Agência Futebol Interior)