quarta-feira, 19 de outubro de 2011

SANTA CRUZ sonha com contratação de Rivaldo do São Paulo

Criticado por Juvenal Juvêncio, o meia dificilmente continuará no Tricolor em 2012


DEPOIS de amargar as “gavetas do inferno” no futebol brasileiro, o Santa Cruz-PE já faz planos ousados para a disputa do Campeonato Brasileiro da Série C de 2012. No embalo dos clubes que estão apostando no marketing e contratando ídolo, o Tricolor sonha com a chegada do meia Rivaldo para o próximo ano.

Alguns membros da diretoria, inclusive o presidente coral, Antônio Luiz Neto, têm interesse na contratação do pentacampeão. Eles, no entanto, evitam falar sobre uma possível negociação antes que o jogador defina seu futuro no São Paulo. 
Este fator, no entanto, não deve pesar contra o Santa, até porque dificilmente Rivaldo permanecerá no Morumbi. Sem render o esperado, o veterano de 39 anos não conseguiu firmar-se entre os titulares. E o próprio presidente são-paulino, Juvenal Juvêncio, deixou implícito em entrevista recente que o atleta não deve continuar no clube em 2012.
O grande obstáculo do clube pernambucano é o alto salário de Rivaldo, que atualmente ganha R$ 120 mil no São Paulo. A esperança dos dirigentes é que o meia atue no Santa “por amor”. Neste caso, o jogador, que já possui sua independência financeira, aceitaria ganhar menos para homenagear o clube de coração e onde foi revelado.

Exemplos pelo Brasil
Dois jogadores fizeram este tipo de contrato, recentemente, para prestar uma homenagem aos clubes que os revelaram. São os casos do meia Juninho Pernambucano e do atacante Kléber Pereira. O primeiro fechou com o Vasco e o segundo com o Moto Club-MA.

Rivaldo é fruto do Santa Cruz
O vascaíno aceitou retornar ao Gigante da Colina recebendo um valor simbólico de R$ 545, referente ao salário mínimo. Kléber Pereira foi ainda mais longe e está disputando a Copa União (torneio similar à Copa Paulista) sem receber nada em troca.

Mais de Rivaldo
Natural de Paulista, na Grande Recife, Rivaldo foi revelado no Santa Cruz em 1991. Entretanto, ele se destacou no cenário nacional ao fazer parte do “Carrossel Caipira” implantado pelo técnico Vadão no Mogi Mirim, entre 1992 e 94. Naquele time, o pentacampeão contava com as ajudas de jogadores com Válber, Leto e Capone.

Após deixar o Sapão, Rivaldo vestiu as camisas de Corinthians, Palmeiras, La Coruña (Espanha), Barcelona (Espanha), Milan (Itália), Cruzeiro, Olympiakos (Grécia), AEK Atenas (Grécia) e Bunyodkor (Uzbequistão). (Agência Futebol Interior)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MANDA ver um comentário aí!